Revelação e Razão

Uma definição clássica de revelação pode ser encontrada nas primeiras páginas da Summa Theologica de Tomás de Aquino. 1 Ele afirma que para nossa salvação, é necessário ter conhecimento revelado por Deus, além do conhecimento construído sobre a razão humana. Embora o homem esteja naturalmente direcionado para Deus, ele precisa de revelação porque Deus está além do alcance da razão. Embora algumas verdades sobre Deus possam ser descobertas apenas pela razão, mesmo assim a revelação serve para um propósito útil. Somente algumas pessoas têm o tempo ou a capacidade para alcançar o conhecimento de Deus pela razão. Isto exigiria muito tempo, e suas conclusões poderiam estar misturadas com erros humanos. Assim, a doutrina sagrada não deriva seus princípios de qualquer conhecimento humano, mas a partir da verdade divina. Sendo que a teologia está baseada na revelação, qualquer coisa que seja encontrada em outras ciências contrárias à verdade desta ciência sagrada deve ser condenada como falsa, declarou São Tomás.

A definição de revelação de Aquino é importante porque ela formula de forma concisa os vários elementos nesta doutrina. Ele distingue entre verdades da razão e verdades da fé. Ele demonstra o valor prático de revelação como também sua necessidade lógica. Ele relaciona a realidade da razão e da fé fazendo uma mais elevada do que a outra, sem entrar em conflito com ela. Finalmente, ele assume que a doutrina sagrada deve estar nos ensinamentos da Escritura, porque a Bíblia é o livro revelado por Deus.

A doutrina bem equilibrada de Aquino não ostenta mais o respeito a ela. Quais são os seus defeitos? Primeiro, ela coloca a revelação e a razão em compartimentos separados. No entanto, desde a Idade Média, filósofos têm geralmente negado que as verdades da revelação existem em uma realidade além do alcance da razão. Eles defendem que doutrinas reveladas como a Trindade e a Encarnação devem ser examinadas e validadas pela razão. Em segundo lugar, as ciências seculares se recusam a viver no primeiro andar de uma casa enquanto a teologia mora no andar de cima sem perturbações. O que as ciências humanas como a física, astronomia, biologia e psicologia ensinam sobre o homem e o universo afeta grandemente a verdade da doutrina cristã. Terceiro, filósofos e teólogos têm duvidado da crença de Aquino na teologia natural. Repetidamente eles têm criticado as provas Tomísticas da existência de Deus que se supõe estarem baseadas somente na razão. Finalmente, Aquino assume que a Bíblia é um livro infalível de verdades reveladas. Sendo que estudiosos têm reexaminado as Escrituras utilizando métodos de crítica histórica e literária, se tornou difícil pensar na Bíblia como revelação não errante.

Assim, devemos examinar cada aspecto do problema. Primeiramente, vamos considerar o relacionamento entre fé e razão. Aquino assumiu que revelação se refere às doutrinas sagradas. Revelação para ele significa informação sobre a natureza de Deus e do homem que é transmitida de forma sobrenatural. Emil Brunner reivindica que esta definição de revelação é muito intelectualista.2 O que significa revelação? Ela envolve um encontro pessoal entre Deus e o homem. Deus se revela. Revelação se refere a um diálogo que Deus conduz conosco. A partir da revelação, o homem não recebe doutrinas: ideias sobre a Trindade ou expiação, por exemplo. Deus não dá ideias para os homens.

Revelação se origina em um encontro pessoa-a-pessoa com o sobrenatural. Assim, revelação revela um Quem, e não um O quê.

Como posso conhecer Deus? De acordo com Brunner, nossa experiência de Deus não pode vir de dentro. Então estamos falando conosco mesmos. Revelação deve se originar de fora. O Cristianismo afirma a transcendência de Deus. Ele não é nosso ser mais profundo ou uma força imanente dentro da natureza. Deus é uma pessoa diferente de nós como as outras pessoas são. Devemos conhecer Deus como conhecemos outro ser humano. Deus é o Outro que deve se comunicar para se tornar conhecido. Você não pode conhecer um homem simplesmente olhando para ele. Você tem que se relacionar com ele. Ele revela o que é falando com você. Assim é com Deus, mas em um nível mais profundo. Suas palavras se tornam uma pista do Seu caráter. Assim, o Deus pessoal deve se revelar pessoalmente para nós. Deus não fala sobre nós. Ele fala para nós e conosco.

Revelação então significa que Deus rompe em nosso mundo atual. Ele se revela a despeito de uma ordem social que é antagônica a Ele. Porque Ele fala, Ele requer que nós decidamos entre Sua vontade e a nossa própria. Quando encontramos Deus, nos é mostrado a diferença fundamental entre Sua santidade e nossa pecaminosidade. Ao se revelar, Ele nos força a decidirmos estar ao Seu lado ou contra Ele.

Brunner distingue cuidadosamente entre fé e razão. Revelação está interessada na natureza e destino do homem. Seu conhecimento é existencial, ao invés de teórico. A verdade decisiva sobre nós mesmos não deve ser encontrada no mesmo lugar ou da mesma forma como o conhecimento científico. Ciência trata com os aspectos externos das coisas. Portanto, seu pensamento é superficial. Ela não toca no âmago de nossa realidade como pessoas. Ciência nos fala sobre como nosso mundo está construído. O que ela não pode fazer é nos mostrar porque estamos aqui: o propósito da existência humana e seu destino final.

Nem a metafísica pode nos dar a resposta. A metafísica tenta fornecer uma visão integral da totalidade da existência. Ela faz seu trabalho na atmosfera da objetividade e serenidade. Na metafísica, o homem é apenas um expectador. Verdade para o metafísico é simplesmente um objeto estético, um maravilhoso espetáculo da harmonia universal. A teologia, em contraste, revela o De Onde e o Por Quê do homem. A questão de Deus é profundamente pessoal e terrivelmente urgente para cada um de nós. Buscamos apaixonadamente porque está em jogo todo o sentido de nossa vida. Devemos encontrar o centro de nossa própria existência.

A neo-ortodoxia de Brunner fornece argumentos valiosos. Ele insiste com razão sobre a natureza pessoal de Deus e a qualidade pessoal da revelação. Ele diferencia claramente entre as funções da razão e da revelação, insistindo na necessidade de mais do que a ciência para encontrar Deus. Além disso, se recusando a identificar revelação com doutrinas sagradas, ele vai além da velha noção que revelação se refere às ideias Bíblicas ou dogmas da igreja. Não obstante, muitos estudiosos sentem que o neo-ortodoxismo minimiza o valor da razão na religião e ignora a dimensão histórica na doutrina Bíblica da revelação.

O professor L. Harold DeWolf da Universidade de Boston criticou o desprezo da razão neo-ortodoxa em matéria de doutrina.3 Precisamos da razão, e sua função na religião é indispensável. A razão serve a revelação de quatro formas:

1) Razão é requerida para aceitar a revelação, porque revelação vem para uma criatura racional que deve relacionar sua verdade com outras verdades que são recebidas através de meios naturais.

2) Razão é necessária para decidir quando a revelação ocorreu. Separado da razão, um indivíduo não pode decidir que a autoridade da revelação que ele aceita é superior a outras alegadas revelações.

3) Razão é exigida para interpretar a revelação e aplicá-la para mudar as situações humanas.

4) Razão é necessária a fim de transmitir a revelação para os outros. Devemos demonstrar que nossa revelação é verdadeira, e somente uma defesa racional pode superar dúvidas ou oposição.

DeWolf está certo sobre a necessidade da religião por razão. Por exemplo, observe como Filo de Alexandria usou a razão para explicar a revelação Mosaica no mundo Greco-romano ou como Justin Martyr e outros primeiros Padres da Igreja se basearam em explicações racionais das crenças cristãs para perseguir pagãos.

Se reivindicamos ter nova revelação além daquilo aceito pelo Cristianismo tradicional, é imperativo reconhecer o valor da razão. Devemos demonstrar como a nova revelação não é completamente irracional. Devemos demonstrar sua superioridade racional para aquilo que é geralmente aceito. Devemos apontar sua aplicabilidade lógica para uma variedade de sérios problemas humanos.

A teologia de Wolfhart Pannenberg surge a partir da neo-ortodoxia, contudo, tenta corrigir algumas de suas fraquezas. No livro Revelation as History (E.T 1968), ele faz preciosas sugestões para nossa doutrina da4 revelação. Primeiro, de acordo com ele, a Bíblia ensina que revelação não vem diretamente como verdades salvadoras, mas indiretamente através de ações históricas de Deus como o Êxodo e a missão de Jesus. É uma afirmação fundamental da tradição judaico-cristã que Deus atua na história. O que isto significa é que, além do encontro pessoal eu-Senhor que Brunner enfatiza, há uma dimensão histórica corporativa para a revelação.

A revelação de Deus não é um evento isolado dado para indivíduos, mas é parte da obra de Deus de redenção com Israel. Onde Deus se revelou? Em toda a história da nação hebraica. Deus inspirou Abraão, deu os mandamentos para Moisés, guiou Josué, conduziu Davi, consolou os hebreus no exílio e os encorajou com a esperança de uma futura era messiânica. Consequentemente, uma doutrina da revelação deve levar em conta os aspectos coletivos do propósito redentor de Deus.

Pannenberg afirma que revelação pode ser entendida plenamente apenas no final da história. Isto significa que toda revelação passada e todos os sinais atuais da atividade divina devem ser vistos à luz da consumação escatológica da história. Nenhum dos atos anteriores de revelação tem valor como um fim em si mesmo.

Tanto a Torá de Moisés como a missão de Jesus apontam para a próxima era messiânica. Não importa quão imprevisivelmente Deus tenha atuado no passado, Sua total revelação nos espera no futuro.

Pannenberg vai além da neo-ortodoxia insistindo que Deus se revela na totalidade da história do homem. Não há nenhuma história “sagrada” (denominadamente, aquela de Israel e da Igreja Cristã) que seja superior e apartada da história “secular.” Para Pannenberg, toda história é uma revelação da atividade de Deus. Esta visão é importante porque amplia o escopo de revelação. Particularmente em anos recentes, quando nosso conhecimento de outras culturas e crenças cresceu, parece estranho limitar as ações de redenção de Deus a uma única nação ou uma única religião. Pannenberg enfatiza o amor global e a preocupação inclusiva de Deus. Mas ele está completamente certo ao assumir que todas as crenças e todas as pessoas têm sido igualmente responsivas à vontade de Deus? Seguramente Ele tem utilizado grupos particulares para um propósito especial em promover Seu programa providencial.

Outra questão precisa ser levantada. Se revelação está limitada aos eventos, então restringimos o poder revelador de Deus às Suas ações. Sendo que Deus é pessoal, Ele pode ficar sem palavras? Ele não é revelado em Suas palavras, tal como em Suas ações? O Cristianismo tradicional sempre assumiu que Deus podia comunicar mensagens para os homens. Portanto, deve haver algum conteúdo intelectual para a revelação. A fé envolve as ações de Deus na história acrescentada com a interpretação revelatória destes eventos. Do contrário, degradamos algumas das doutrinas mais fundamentais do Cristianismo.

Um segundo grande problema se refere a como interpretamos os relacionamentos entre o natural e o sobrenatural. Aquino relacionou os dois colocando-os juntos, um no topo do outro. O natural e o sobrenatural são dois níveis intimamente conectados de um único cosmos criado por Deus. Como todos os romanos católicos, Aquino assumiu que havia constante comunicação e interação entre estas duas realidades.

Protestantes em geral, e Karl Barth em particular, separaram claramente o sobrenatural do natural. 5 Como ele expressou, há uma distinção infinitamente qualitativa entre o temporal e o Eterno. Deus está no céu e o homem está na terra. Há uma barreira entre este mundo e Deus, a qual somente Deus pode romper. Deus é Totalmente Diferente. Não há nenhuma forma para subirmos até Ele; Ele deve descer até nós, como Ele fez uma única vez, quando Ele se tornou encarnado em Jesus Cristo.

Mais tarde em sua vida Barth admitiu que ele podia ter exagerado6 a fim de ressaltar a transcendência de Deus. Em qualquer caso, uma redefinição moderna do sobrenatural deveria reconhecer, como fez Aquino, que o homem vive em um universo multidimensional e com muitos níveis. O natural e o sobrenatural estão sempre relacionados intimamente, e frequentemente interagem de uma maneira muito dramática. Reconhecer sua proximidade é valioso ao trabalhar com a doutrina da revelação.

Como muitos teólogos contemporâneos admitem agora, a neo-ortodoxia sobrecarregou a transcendência absoluta de Deus e ignorou igualmente a doutrina tradicional da imanência divina.

Como mencionado anteriormente, a doutrina da revelação tornou-se problemática em séculos recentes por causa do declínio da autoridade da Bíblia. Até o Iluminismo, quase todos os cristãos aceitavam as Escrituras de capa a capa como a Palavra infalível de Deus. Esta noção tem sido amplamente atacada e geralmente tem sido abandonada por teólogos modernos em todas as denominações principais.

Por exemplo, em um texto de teologia sistemática preparado em um seminário Metodista, um capítulo inteiro é dedicado ao tema “A Falibilidade da Bíblia.” 7 Seis tipos de evidências são dadas para demonstrar que a Escritura não é um livro infalível:

1) Há contradições óbvias dentro da Bíblia. Por exemplo, Ex. 37:1-9 diz que Bezalel fez a arca da aliança, mas em Deut.10:1-5 Moisés reivindica ter feito. De forma semelhante, há duas histórias contraditórias sobre a arca de Noé que foram desajeitadamente combinadas.

2) Como existem variações importantes nos manuscritos bíblicos que possuímos agora, não podemos afirmar com certeza 8 o que os originais continham. Além disso, também deveríamos aceitar a infalibilidade da igreja primitiva que decidiu quais livros colocar nas Escrituras, e quais rejeitar.

3) A Bíblia contém contradições da verdade conhecida. Isto inclui declarações baseadas em mitologia refutada e falsa ciência. A Bíblia assume que todas as doenças são causadas por possessão demoníaca, e o Gênesis registra o folclore que serpentes não têm pernas porque Satanás assumiu essa forma para tentar Eva. As Escrituras também sugerem que a terra está imóvel e que o universo está centrado na terra.

4) Há muitas evidências de lendas na Bíblia. Os contos de heróis em Juízes se assemelham aos dos gregos. Além disso, ao ler o Novo Testamento de forma cronológica, é fácil ver como os materiais de Marcos foram editados por Mateus, Lucas e João para fazer de Jesus uma figura mais sobrenatural. Em relação aos momentos da morte de Jesus, observe como as palavras a partir da cruz foram desenvolvidas.

5) A Bíblia contém passagens moralmente indignas. Em 1784 Wesley omitiu alguns dos Salmos do seu livro de oração Metodista porque, como ele colocou, eles eram “altamente impróprios para as bocas de uma congregação cristã.” Além disso, hoje ninguém defenderia imitar alguns dos atos registrados de Abraão, Jacó, Sansão, Saul ou Davi. As Escrituras registram uma gradual evolução da ética, e os padrões morais de uma parte das Escrituras são muito inferiores da outra parte.

6) Jesus não aceitou a autoridade infalível do Velho Testamento. Como indica o Sermão da Montanha, ele “sem hesitação e repetidamente” rejeita alguns dos ensinamentos do Velho Testamento.

De acordo com DeWolf, esta evidência prova que não podemos acreditar na inspiração verbal ou autoridade infalível da Bíblia como um guia para a fé ou moral. Tudo o que se pode dizer realmente é que as Escrituras como um todo são inspiradas porque algumas passagens são obras-primas literárias, algumas partes são religiosamente elevadas, algumas de suas ideias são magnificamente verdadeiras; portanto, o livro teve uma influência inigualável sobre a humanidade. A evidência suprema das Escrituras que eu enfatizo é que elas fizeram os homens buscarem e encontrarem Deus.

Aqueles que ainda afirmam a autoridade divina da Bíblia demonstram que realmente nunca a estudaram cuidadosamente ou buscaram “melhorá-la” por racionalizações engenhosas. Em qualquer caso, o estudo bíblico detalhado por mais de um século tendeu a minar sua autoridade como revelação literal. Então o que precisa ser feito?

De acordo com Rudolf Bultmann, toda a visão do mundo das Escrituras não é aceitável e somente fenômenos são compreensíveis dentro da estrutura de uma ordem racional do universo. A visão bíblica do mundo é mitológica, enquanto a visão moderna do mundo é científica. Portanto, é mera ilusão pensar que a antiga visão bíblica pode ser revivida. Devemos desmistificar a Bíblia. Caso contrário, seríamos forçados a sacrificar nossa inteligência a fim de permanecer cristãos.

Naturalmente, alguém poderia dizer que é útil estudar as Escrituras como documentos históricos. Mas esse é nosso verdadeiro e real interesse? Não. Queremos ouvir o que a Bíblia tem a dizer para nós, ouvir sua verdade sobre nossa vida e nossa alma. A revelação de Deus é compreendida somente nos eventos concretos da vida aqui e agora. Nossa vida temporal é a esfera da relação entre homem e Deus. Assim, a Bíblia deve ser desmistificada; ou como Tillich diz, “as doutrinas bíblicas devem ser desliteralizadas.” Isto significa que as Escrituras têm que ser reinterpretadas ou atualizadas. Uma aceitação puramente literal da visão bíblica do mundo impede que uma pessoa veja como Deus fala para cada um de nós.

Bultmann reconhece claramente como a autoridade da Bíblia tem sido enfraquecida em nosso tempo. Ele compreende que a explicação tradicional não tem nenhum significado para o homem moderno. Nem podemos ficar satisfeitos com um tratamento meramente histórico da Bíblia. Nenhum cristão se contenta em ler as Escrituras simplesmente como “literatura viva.” Consequentemente, Bultmann defende um Cristianismo radicalmente novo que preserva a mensagem revelada da tradição judaico-cristã, mas a expressa de uma forma que os homens contemporâneos possam entender. Entretanto, muitos sentem que a reinterpretação existencialista das Escrituras negligencia algumas dimensões essenciais. Em outras palavras, seu objetivo é certo, mas seu método de alcançá-lo parece inadequado. 11

Muitos lamentam o fato que as Escrituras têm perdido cada vez mais seu apelo no mundo moderno. Ao menos uma grande parte da influência da teologia Barthiana entre a Primeira e Segunda Guerras Mundiais foi devido aos seus esforços para atrair cristãos para “o novo mundo estranho” da Bíblia. 12 De forma semelhante, a popularidade das campanhas evangelísticas de Billy Graham pode ser rastreada até uma nostalgia da autoridade bíblica de um dia anterior. Mas a teologia Barthiana da Palavra foi eclipsada e as reuniões caras dos neo-Evangélicos não inverteram a tendência das denominações mais velhas. Por exemplo, no conselho de bispos em 1978 em Lambeth, foi relatado que as igrejas anglicanas perderam cerca de meio milhão de membros na década anterior. No mesmo período, a denominação Discípulos de Cristo relatou um declínio de 21% de seus membros. Cenários semelhantes foram dados por Metodistas, Presbiterianos, Católicos Romanos e a Igreja Unida de Cristo em anos recentes.

No entanto, pode haver um lado positivo para este rápido declínio na adesão à igreja e a erosão generalizada da fé na revelação bíblica. Como o Cristianismo convencional perdeu seu apelo, muitos clérigos se tornaram abertos para novas ideias e cientes dos novos desafios.

De forma semelhante, dezenas de milhares de jovens começaram uma busca emocionante por uma fé espiritual vital quando a religião de seus pais ficou pouco atraente. Ao mesmo tempo que a autoridade bíblica estava sendo enfraquecida, Deus estava abrindo novos caminhos para Sua presença? Se o mundo moderno tem mais eclesiásticos caducos, ele também tem uma multidão de pessoas buscando Deus. Então, possivelmente o colapso virtual do estabelecimento cristão é a forma de Deus para ampliar os horizontes do homem, aprofundar seus esclarecimentos e preparar as pessoas para uma nova revelação de Seus planos. Assim como a tragédia do cativeiro Babilônico estimulou a criação do judaísmo rabínico, e a ruptura com a cristandade medieval pavimentou o caminho para a vitalidade das reformas Protestante e Católica, assim também a inquietante situação religiosa de nosso tempo pode anunciar uma Nova Era na história de salvação.


1 Summa Theologica, la, 1:1.

2 E. Brunner, The Theology of Crisis (1929) chap. 2.

3 L. H. DeWolf, Theology of the Living Church (1953), pp. 33-36. Cf. também seu Religious Revolt against Reason (1971).

4 W. Pannenberg, "Dogmatic Theses on the Doctrine of Revelation:' pp. 125-158,

5 U. K. Barth, Epistle to the Romans (1968 ed.).

6 K. Barth, How I Changed My Mind (1966).

7 L. H. DeWolf, A Theology of the Living Church (1953), pp. 68-74. Ele lecionou na Escola de Teologia da Universidade de Boston por muitos anos e mais tarde no Seminário Wesley, Washington, D.C.

8 Por exemplo, manuscritos Bíblicos têm duas terminações para o Evangelho de Marcos, como demonstra o RSV. Além disso o incidente da mulher em adultério é encontrado em diferentes lugares nos manuscritos.

9 Os tipos de evidências listados acima vem de DeWolf, op. cit., pp. 68-79. Ele dá ilustrações adicionais e em alguns casos exemplos diferentes foram adicionados ao seu argumento.

10 Cf. R. Bultmann, Jesus Christ and Mythology (1958).

11 O objetivo de Bultmann é tornar a Bíblia significativa atualmente; seu método é interpretar tudo na Bíblia em termos da filosofia existencialista de Heidegger. Muitos concordam com seu objetivo, mas eles não aceitam o existencialismo de Heidegger.

12 K. Barth, The Word of God and the Word of Man (1957), pp. 28-50.

 

Visitantes

Nós temos 14 visitantes online

Comprar

Livros Online